quarta-feira, 11 de março de 2009

Dez anos do "manifesto madeirista"

O Manifesto Madeirista foi publicado pela primeira vez no Jornal Alto Madeira, em 10 de janeiro de 1999. Estava no Jornal O Estadão no dia 24 do mesmo mês, e nunca antes um artigo ou movimento artístico provocou tanto incômodo e discussão em Rondônia, chegando a ser discutido e traduzido em outros portos. Dez anos depois, o texto continua sincrônico, artística e poeticamente abalador, como queriam seus autores. Leia abaixo, na íntegra, o Manifesto Madeirista:


ALBERTO LINS CALDAS
CARLOS MOREIRA
JOESÉR ÀLVARES
GLÁUCIO GIORDANNI
BIRA LOURENÇO

“Não sei muito acerca de deuses, mas creio que o rio
É um poderoso deus castanho – taciturno, indômito e intratável,
Paciente até certo ponto, a princípio reconhecido como fronteira,
Útil, inconfidente, como um caixeiro viajante.
Depois, apenas um problema que ao construtor de pontes desafia.”

T.S. Eliot

Não basta
os limites de uma cidade, de uma região, de um território,
de uma língua:
todos os limites são virtuais e imprestáveis: criar pontes
(que também são imprestáveis) entre os limites:
sair dos limites: passear no vazio, no ilimitado,
no além do programa.

Não basta
Madeira, Nilo, Ganges, Tietê, Mississipi,
São Francisco, Sena, Tamisa, Amazonas, Indo:
não basta florestas, desertos, oceanos, continentes, ilhas,
corpo, voz, desejo ou sonho: limites a serem contagiados
pelo construtor de pontes: tanto faz quanto tanto foz.

Não basta
os regionalismos nem os cosmopolitismos das moneras:
não basta: precisamos de pontes e, de repente,
o gozo em saltar as pontes:
e no fluxo mortal, mergulhar, gozando todos os sonos.

Não basta o Boto, a Bôta, a Cobra Grande, o Boi:
olhar do colonizador, olhar gordo de ocidentalidades turistas.

Não basta Macunaíma ou Miramar:
pouca canibalidade, muita imitação e respeito.

Não basta riobaldos e sinhás vitórias:
não basta a Grande Arte:
não basta esta gosma de classe média
pregada em edifícios de papel: não basta.

Não basta essa Identidade Nacional:
não basta nem a identidade nem o nacional:
muito menos o internacional.

Não basta o sentido nem a razão. Não basta
a forma nem o formato.
Não basta a aspereza nem o tédio. Não basta
o linear nem o mistério.
Não basta o policial nem o cômico. Não basta
nem a alminha nem o carma.
Não basta o horóscopo nem o nome. Não basta a data nem a hora.
Não basta o peso nem o pesado. Não basta
essa palavra colada às coisas
como se fosse uma barata morta ou restos de carne sobre a cama.

Não basta Gramáticas, Ortografias nem Dicionários.
Não basta a Bíblia, o Corão nem o Manual dos Escoteiros.
Não basta nem Kama Sutra nem Código Civil.
Não basta nem erudição nem Jeca Tatu.

Não basta essa fé provinciana nem esse lirismo água com açúcar.
Não basta a nova nem a velha Bossa.
Não basta o samba nem o carnaval. Não basta o negro nem o índio.
Não basta o branco nem o amarelo. Não basta Europa ou África.
Não basta nem Ásia nem azia, América ou Oceania.
Não basta gêneros:
nada basta esse bastar.
Não basta o grito nem o sussurro.
Não basta.

É sempre muito pouco.
É sempre sempre igual.
Não basta.

Não basta nem a bundinha, nem a garrafinha, nem o uisquinho,
nem a prainha, nem as avenidinhas, nem Ariano, nem os Campos,
nem francês, nem inglês, nem todas essas igrejas mortas,
nem todo esse lerolero global, nem milongas nem toadas.
Não basta.

Não basta essa falta de fome.
Não basta a história, a memória, a escória.
Não basta a Geografia, a Antropologia, a inútil Sociologia.

Não basta esse falso erotismo: esse falo flácido sem flanar:
é preciso a obscenidade radical: não basta a devoração canibal:
é preciso ser libertino: não basta devorar:
é preciso desmembrar o mundo:
torná-lo vazio: sem sentido: e remontá-lo no meio da praça:
não basta tê-lo devorado até a saciedade: é preciso maculá-lo:
remontá-lo com outro sentido e sentido algum:
é preciso libertar a palavra, o som, a imagem, o corpo,
e o não de todo esse peso,
de todas essas idéias, de toda asperidade,
de toda autoridade:
tudo preso a tudo por nada,
sem pontes, sem o deslimite do depois das pontes
e do vôo sobre as pontes: tanto faz quanto tanto foz.

Não basta nenhuma crença: não bastam Deuses, Demônios, Pátrias,
coronéis, generais e lobisomens:
não basta nem miséria nem riqueza:
só a obsessão cria as pontes
e somente a libertinagem do libertino
cria a liberdade radical,
aquela que pode nos fazer saltar pontes
sem precisar a travessia,
para nada,
por gozo.

Basta de descritivismo, de predomínio do objeto.
Basta dessa arte sem imaginação,
sem sonho,
sem invisibilidade,
cheia de realidades tolamente visíveis,
pré-visíveis tramas televisivas.

Basta desse falso diálogo de jornal invadindo a palavra.
Basta de arte-mercadoria: a arte não vale nada:
não é valor/trabalho: o artista não é trabalhador:
arte não é ofício:
arte é orifício.

Basta desse respeito à linguagem:
é preciso implodi-la para insignificar:
precisa ser tocada, maculada, desmembrada
para enlouquecer e deixar fluir e fluir-se.

Basta de caminhar
dentro do estúpido senso comum das mídias,
dessa crítica amigável,
dessa bajulação mútua, dessa análise historicista:
mero acalanto de boiadas.


Chega de Primeiro, Segundo e Terceiro mundo:
a arte é o gozo que dissolve o concreto do mundo:
tanto faz quanto tanto foz.

E chega de bastar:
é preciso reaprender a gozar.

Somos criadores:
pairamos sempre sobre as águas,
mordendo os dedos dos pés,
criando o círculo de fogo sobre o nada:
precisamos somente dizer o faça-se:
essa palavra vinda do mais
íntimo das entranhas:
tanto faz quanto tanto foz: cadê a tua voz?

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Somos criaturas fingindo sermos criadores, criando com palavras querendo ter o poder do "faça-se e assim foi feito", somos como crianças inconformados com o que temos mas sempre querendo mais, nao basta gritar, ecoar, nao basta so palavras,basta a uniao e a açao trazendo o resultado do esforço para preservar o deus castanho,o rio silencioso e impetuoso, calmo e revoltado continuar sua jornada no curso natural da criaçao Divina!
    Brilho da Lua

    ResponderExcluir
  3. Maravilha, Alberto! Adorei. Adoro voce!

    ResponderExcluir
  4. querido alberto, considero importante iniciativas deste tipo.
    prometo cavar um tempinho pra ler com atenção.
    penso, inclusive em ser um seguidor...
    vamos ver.
    abçs

    ResponderExcluir
  5. Estou aqui pensando na desconstrução da madeira. Do que a faz ir ter com móveis. Até com imóveis. Alguém perguntou à madeira se era isso que ela queria?
    Não basta o blog, nem o Manifesto Madeirista. As pessoas passam, e não vêem. Não lêem. Não sabem que a arte, ou isso a que chamam arte, não é só orifício, é mesmo um túnel vazio à espera de quem passe pelo túnel. Com a coragem, a audácia, e o suor de um desbravador de túneis. Há que se recriar a madeira, e há que se ter justificativa para isso. Pois podem dizer o que quiserem. A arte pode até não ter função. Mas só para quem não é artista.

    E, pensando bem, a sociologia é mesmo inútil. Uma obesa senhora sobre uma passarela de magras idéias. E inexistentes ideais.

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Em tempo, não basta: assino embaixo.

    ResponderExcluir
  7. Realmente precisamos dá um basta em muitas coisas... Ótimo para abrir o pensamento, quebrar barreiras criadas pelo "jeito certo de fazer". O que é certo? "Basta de caminhar dentro do estúpido senso comum das mídias".

    ResponderExcluir
  8. Imagino que a memória seja algo importante nese caso, aliás, tudo parece tão "construído" quando há um interesse subliminar. Sei o quanto Alberto mantem generosamente, violentamente, inteligentemente um campo de tensão.O quanto constrói o outro, que enquanto necessita de suas palavras, fica à sua volta, depois...bem, deixemos as miudezas... Onde busca quebrar a grossa casca da burrice/mesmice, consegue! Vi infinitas vezes, ser abandonado, alvo de um ou outro tipo de desdtruição, vi o quanto é maior, o quanto está além e, poderia ter uma vaidade mais refinada, mais fundamentada naquilo que importa.
    sinto um profundo orgulho de termos pactos de criação e busca e, de ter coragem de seguir com ele, apesar dos vampiros de idéias e coisas, sobrevoarem persistentemente nossas cabeças.
    Grande iniciativa a criação desse espaço.

    ResponderExcluir